Brasil tem 421 mortes em 24h, chega a 6.750 e número de casos supera 96 mil ~ Ceará da Gente

Brasil tem 421 mortes em 24h, chega a 6.750 e número de casos supera 96 mil

Profissional de saúde com roupa de proteção remove corpo para caminhão refrigerado em hospital do Rio de Janeiro - RICARDO MORAES
Profissional de saúde com roupa de proteção remove corpo para caminhão refrigerado em hospital do Rio de JaneiroImagem: RICARDO MORAES (Portal Uol)

O Ministério da Saúde divulgou hoje que foram computadas 6.750 mortes causadas pelo novo coronavírus até o momento. Só nas últimas 24 horas, foram 421 óbitos. O número de casos confirmados subiu para 96.559, segundo boletim divulgado na tarde deste sábado (2) pela pasta. 

O número de casos, no entanto, não reflete o atual estágio de contaminações e mortes pela doença no Brasil. O Ministério da Saúde demora a computar casos e mortes em mais de um mês. Os testes para covid demoram, em média, duas semanas para o resultado.

Mesmo assim, os casos oficiais tiveram aumento de 5% em um dia, e as mortes, de 7%. Na sexta-feira, o aumento de casos e mortes foi de 7% cada. Eram 91.589 casos e 6.329 falecimentos. 

O mundo vive uma pandemia de covid-19 segundo a Organização Mundial de Saúde. De acordo a Universidade Johns Hopkins, dos EUA, mais de 240 mil morreram com a infecção até hoje. Houve 4.970 diagnósticos novos de ontem para hoje.

O número de casos confirmados no planeta se aproxima de 3,4 milhões. 

Evolução dos números 

Na quinta-feira, o país superou o número de casos da China e se tornou o 10º no ranking mundial da Universidade Johns Hopkins. Na terça-feira o país já havia superado o número de mortos da China, país onde a pandemia começou.

A doença está aumentando a velocidade de contágio nas capitais. Nelas, os casos dobram a cada cinco dias e meio. Em São Luís, os casos dobram a cada três dias e meio. Lá, a Justiça ordenou o bloqueio completo, também chamado de confinamento ou "lockdown". 

Em Manaus, que na semana passada iniciou o enterro de vítimas da covid-19 em covas coletivas por falta de espaço e tempo, o número oficial de casos dobra a cada 4,32 dias em média. 

Fonte: Uol