Estado do Ceará registra 20 mortes e 344 casos em 24 horas ~ Ceará da Gente

Estado do Ceará registra 20 mortes e 344 casos em 24 horas

O Estado registra 2.747 casos e 155 óbitos. Governo do Ceará se articula para receber compra de respiradores da China. Estado estima oferecer 560 leitos de UTI
O último dia foi o que mais registrou novas confirmações da Covid-19 e óbitos desde o início da pandemia no Ceará. De quinta-feira, 16, até ontem, 17, foram 344 diagnósticos positivos e 20 mortes em decorrência da doença. Com leitos de Unidades de Atendimento Intensivo (UTI) para pacientes infectados com o novo coronavírus completamente lotados, o Governo do Estado se articula para receber compra de respiradores mecânicos. Negociação têm sido feita para entrega de 700 respiradores chineses em três lotes até o final de maio. A expectativa é ampliar os atuais 260 para 560 leitos de UTI, informou o secretário da Saúde do Estado, Dr. Cabeto, em coletiva transmitida pelo Facebook.
ENTRADA DO IJF: rede municipal de saúde está com capacidade esgotada. 13 pacientes de Covid aguardavam ontem vaga na UTI
O Estado registra 2.747 casos e 155 óbitos, conforme dados da Secretaria da Saúde do Estado (Sesa), atualizados às 17h15min. Já são 86 municípios com casos no Ceará. Há 10.396 suspeitas em investigação. A taxa de letalidade, de 5,6%, está prestes a alcançar o índice nacional, que é de 6,3%.
Ontem, o Governo do Estado recebeu 20 leitos de UTI do Governo Federal para reforçar o atendimento a pacientes infectados com a doença. Os equipamentos estavam em São Paulo e foram trazidos de avião pelo próprio governo do Estado, conforme anunciou em publicação nas redes sociais o governador Camilo Santana. Nesta sexta-feira, 38 pacientes aguardavam na fila para tratamento intensivo no Estado, de acordo com o secretário. Dez a menos do que o número registrado no dia anterior: 48. Do total de leitos de UTI no Ceará, 732 são destinados a pacientes com outras doenças. Nestes, a ocupação é de 85%.
Até hoje, 16 ou 18 leitos de UTI para Covid-19 devem ser abertos no Hospital de Messejana Dr. Carlos Alberto Studart Gomes. O número exato depende da capacidade de readaptação da unidade hospitalar, disse Dr. Cabeto. Dentre as estratégias para conseguir ampliar a estrutura de tratamento intensivo está o aluguel de leitos de uma empresa do Rio Grande do Sul. “A proposta era 600 mas eles só tinham 120 leitos. Estão, semana a semana, atualizando o que podem entregar. Estão entregando em Crateús na segunda-feira para iniciar a UTI do município. Estão prometendo mais 20 leitos para o Leonardo da Vinci para semana que vem, não está certa ainda a entrega mas é possível”, explicou.
O secretário afirmou que a compra de 50 leitos de uma empresa de São Paulo foi requisitada pelo Ministério da Saúde. Segundo o titular da pasta, a interlocução junto ao MS tem sido feita para que os equipamentos sejam desbloqueados. O Estado aguarda ainda a entrega da compra de 700 respiradores de uma empresa chinesa, que devem ser entregues em lotes de 200 (abril), 400 (maio) e 100 (junho) unidades, segundo Dr. Cabeto. “Passamos os dados para a cônsul da China em Recife para que ela pudesse interceder. Fizemos videoconferência com os executivos da empresa e eles têm nos passado a dificuldade de obter insumos de outros países”, detalhou.
Ele disse que a saturação no sistema foi adiada devido ao isolamento social, que está em 50% no Ceará. “Exatamente por causa desse contingenciamento, dessa suspensão de deslocamento tanto em Fortaleza como no Interior”, disse. “Isso possibilitou ao Ceará retardar esse processo e se preparar cada vez mais. O distanciamento social foi efetivo. Precisa ser ajustado e ampliado ainda mais”, destacou.
Dr. Cabeto afirmou que o protocolo para tratamento de pacientes com Covid-19, renovado nessa quinta-feira, 16, pode reduzir o número de pessoas que necessitam de terapia intensiva. Ele frisou a importância da procura imediada de atendimento de saúde por parte de pessoas com mais de 60 anos e com comorbidades que apresentem sintomas. Além de contato com a Sesa por telefone (0800 275 1475) ou Whatsapp (85 8439 0647) por qualquer pessoa que apresente sintomas da doença.
O Povo Online