Negociação vitoriosa: chega ao fim o motim da PM no Ceará ~ Ceará da Gente

Negociação vitoriosa: chega ao fim o motim da PM no Ceará

Comissão dos três poderes e representantes da PM que elaboraram a proposta 

Na noite deste domingo (1º), os policiais militares amotinados no 18º Batalhão decidiram pelo fim do movimento. Os agentes resolveram aceitar a proposta definida mais cedo pela comissão especial formada por membros dos três poderes estaduais e por representantes dos PMs.  O pedido de anistia aos envolvidos, principal reivindicação dos PMs, permaneceu negada pelo Governo do Estado. 

A proposta feita pela comissão especial inclui os seguintes termos:
  • Os policiais militares contarão com o apoio de instituições extragovernamentais, como Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Defensoria Pública e Exército;
  • Os agentes terão direito a um processo legal sem perseguição, com amplo direito a defesa e contraditório, e acompanhamento das instituições de apoio;
  • O governo do Ceará não vai transferir policiais para o interior do estado em um prazo de 60 dias, contados a partir do fim do motim;
  • Revisão de todos os processos adotados contra policiais militares durante a paralisação;
  • Garantia de investimento de R$ 495 milhões com o salário de policiais até 2022;
  • Desocupação de todos os batalhões onde havia policiais amotinados até 23h59 deste domingo;
  • Os policiais militares devem retornar ao trabalho às 8h desta segunda-feira, dia 2 de março
O líder dos policiais amotinados, ex-deputado federal Cabo Sabino, que tem um mandado de prisão em aberto por motim, coordenou a negociação.  "Vocês acabaram de assinar a minha demissão", disse logo após a votação dos militares. 
"Hoje nós temos apoio do Exército, da OAB, da Defensoria Pública. Se esse movimento continuar, não saberemos como vai ser o dia de amanhã. Então votem com consciência e considerem que a gente pode ter algo muito bom para todos nós ou algo muito ruim para alguns de nós", comentou o deputado Soldado Noélio, que integrou a comissão especial como interlocutor dos policiais no diálogo com o governo. 
Com informações do DN