Mina em Santa Quitéria terá investimento de US$ 350 milhões para inicio de atividades na extração de fosfato e urânio ~ Ceará da Gente

Mina em Santa Quitéria terá investimento de US$ 350 milhões para inicio de atividades na extração de fosfato e urânio

Tomás Figueiredo Filho representa o Brasil na Convenção Mundial de Mineração e Exploração Mineral em Toronto


O ex-deputado estadual cearense, empresário e advogado Tomás Antônio Albuquerque de Paula Pessoa Filho, conhecido como Tomás Figueiredo Filho, diretor da Agência Nacional de Mineração (ANM) esteve palestrando, na noite da última segunda (02/03), na PEDAC2020 The World’s Premier Mineral Exploration & Mining Convention (Convenção Mundial de Mineração e Exploração Mineral) em Toronto, Canadá.
A melhoria no ambiente da mineração no Brasil é o cenário favorável para a expansão da pesquisa geológica, exploração e desenvolvimento de projetos de mineração no país.
A PDAC é a maior convenção mundial voltada para o setor de mineração. Mais de 2.500 investidores de 132 países, prestigiam o evento em busca de conhecimento e oportunidade de negócios.
A convenção acontece em um momento que o governo brasileiro já manifestou a intenção de aumentar a mineração no País, avançando inclusive em terra indígenas, conforme projeto de lei assinado pelo presidente Jair Bolsonaro e que será analisado pelo Congresso Nacional.
Segundo o Instituto Brasileiro de Mineração (IBRAM), o Brasil possui apenas 30% dos 8,5 milhões de quilômetros quadrados com pesquisa geológica e as minas ocupam apenas 0,6% do território, o que abre oportunidades para negócios de classe mundial no país.
No estado do Ceará, a mina de Itataia, em Santa Quitéria, já tem novos planos para o início das operações de extração. Com um investimento de US$ 350 milhões, o potencial do novo empreendimento já começa a ser comparado com o impacto gerado pela Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP), considerando a atividade econômica da região.
O investimento no projeto será feito integralmente pela Galvani e será de US$ 350 milhões. A perspectiva é que a produção anual de fosfato (usado na produção de fertilizantes) seja de 900 mil toneladas por ano (t/a), enquanto a de concentrado de urânio seja de 1.600 t/a. Além disso, o empreendimento deverá gerar, de acordo com a INB, cerca 1.000 vagas de trabalho durante a fase de implantação e 1.500 na operação.
Fontes: Blog do Farias/ Ceará em Off