Caiado rompe com Bolsonaro e diz que vai manter isolamento total ~ Ceará da Gente

Caiado rompe com Bolsonaro e diz que vai manter isolamento total

Ronaldo Caiado

Aliado de primeira hora de Jair Bolsonaro, o governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM), que também é médico, disse que o estado não deverá seguir as recomendações feitas por Jair Bolsonaro que envolvem o fim do confinamento coletivo e a reabertura do comércio e de empresas, entre outros pontos. Ainda conforme o governador, a comunicação com Bolsonaro será feita somente por meio de comunicados oficiais. 

“Quero deixar claro, com muita tranquilidade, mas com autoridade de governador e o juramento de médico, que as decisões do presidente da República na área de saúde não alcançarão o estado de Goiás". "As decisões de Goiás serão tomadas por mim e decisões da OMS e povo técnico do Ministério da Saúde. Não posso concordar com um presidente que vem a público sem ter consideração com seus aliados. Não posso admitir que o presidente venha agora lavar as mãos e responsabilizar outros", completou Caiado em seguida.

Brasil 247



De acordo com o Portal Viomundo, O presidente da República encontra-se completamente isolado no enfrentamento à pandemia de coronavírus.

A demonstração mais clara disso é que o governador de Goiás, Ronaldo Caiado, que é médico, deu entrevista coletiva para afirmar que as decisões de Jair Bolsonaro no campo da Saúde não serão acatadas no estado (vídeo acima).
Caiado é do DEM, o mesmo partido que indicou o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta.
Mandetta está sob pressão de Jair Bolsonaro para implantar o isolamento vertical, que deixaria em casa apenas os idosos e as pessoas que sofrem de doenças que podem complicar o quadro de coronavírus.
Governadores de estado não aceitam a decisão. Eles devem se reunir virtualmente esta tarde, sem a participação de Bolsonaro.
Depois de bater boca com o presidente da República numa reunião na manhã desta quarta-feira, o governador João Doria atacou Bolsonaro em entrevista coletiva.
Ele afirmou que em São Paulo vivem 6.831.000 pessoas acima de 60 anos e que elas não serão “abandonadas”.
Doria disse que não vai “colocar a economia acima da vida”.
O chamado lockdown foi adotado por políticos à esquerda e à direita em todo o mundo, do primeiro ministro Narendra Modi, da Índia, ao socialista Pedro Sánchez, da Espanha.
O governador paulista, que se elegeu pregando a chapa BolsoDoria, contra o candidato de seu próprio partido, Geraldo Alckmin, mostrou o resultado do teste que fez para o coronavírus — deu negativo.
Foi uma alfinetada no presidente da República.
O Hospital das Forças Armadas em Brasília, que atendeu Jair Bolsonaro, omitiu dois nomes da lista de infectados, ao comunicar os resultados positivos de testes que fez a autoridades sanitárias do Distrito Federal.
A comunicação foi feita a pedido da Justiça Federal.
A especulação é de que um dos nomes seja o de Jair Bolsonaro, que participou de manifestação pública contra o Congresso e o STF no dia 15 de março, quando deveria estar em quarentena