“Não existe ‘messias’ de arma na mão”, diz o samba da Mangueira ~ Ceará da Gente

“Não existe ‘messias’ de arma na mão”, diz o samba da Mangueira

O enredo vem sendo atacado por milícias digitais porque fala da volta de um Jesus irmanado com os mais pobres e com os moradores de favelas. O mesmo Jesus que se insurgiu contra a hipocrisia dos líderes religiosos do seu tempo e colocou-se contra a opressão



A Estação Primeira de Mangueira vem para o Carnaval de 2020 já emocionando a todos com seu samba-enredo “A Verdade Vos Fará Livre”, de Luiz Carlos Máximo e Manu da Cuíca.
O enredo do carnavalesco Leandro Vieira vai tratar da volta de Jesus Cristo à Terra e vai se identificar e se irmanar com os mais pobres, como os moradores de favelas, que sofrem com todo tipo de preconceito, principalmente o religioso, e com a intolerância.
Quem se encarregará de levantar a avenida com este samba-enredo será Marquinho Art’Samba, o novo puxador da Mangueira.
A professora Marluci Brasil (foto abaixo), de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, formada em pedagogia pela Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, deu uma aula de interpretação de texto da letra do samba da Mangueira que viralizou nas redes sociais.
Nós aproveitamos a postagem de seu vídeo, feita pela deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ), líder da oposição na Câmara Federal, para trazer até você, leitor, essa brilhante interpretação.
Confira no vídeo abaixo:
O que motivou a professora Marluci Brasil a fazer essa interpretação foram os ataques que a escola campeã de 2019 vem sofrendo por parte de milícias bolsonaristas e grupos obscurantistas da sociedade.
A crítica desses setores se concentra na parte da letra que diz “não há messias de arma na mão”.
Eles quiseram enxergar na crítica que o enredo da Estação Primeira faz à manipulação do verdadeiro cristianismo, um desrespeito à figura de Jesus e um ataque a seu “mito”, que vive aparecendo com armas, ou como se estivesse com uma delas, em suas mãos.



Fonte: Hora do Povo