Estudo revela: Vaga-lume entra para a lista de insetos em extinção ~ Ceará da Gente

Estudo revela: Vaga-lume entra para a lista de insetos em extinção

Foto: Internet

Um estudo realizado pela Universidade Tufts, nos Estados Unidos, concluiu que os vaga-lumes, em todo mundo, estão ameaçados de extinção devido à perda de seus habitats naturais, uso de pesticidas e luz artificial. De acordo com a pesquisa, com mais de 2 mil espécies, a falta de condições ideais para completar o seu ciclo da vida pode eliminar alguns insetos do planeta. 

Segundo a professora da universidade e líder do estudo, Sara Lewis, um vaga-lume da Malásia, por exemplo, precisa de manguezais e das plantas para procriar. Mas quase em todo o país, os mangues foram convertidos em plantações e fazendas de aquicultura.

Além disso, os especialistas descobriram que o uso de luz artificial à noite é a segunda maior ameaça para os vaga-lumes. Esse tipo de iluminação pode ocorrer de maneira direta, com luzes de rua e outdoors, e uma iluminação mais difusa que se espalha no céu.

Essa “poluição luminosa” atrapalha os rituais de acasalamento da espécie. Segundo estimativas mais de 23% da superfície terrestre do planeta agora experimenta algum grau de brilho artificial durante a noite.

Para os pesquisadores, ainda é necessário um estudos de monitoramento, com dados de longo prazo, para entender o nível do declínio das populações de vaga-lumes. Mas as ameaças detectadas já estão interferindo na procriação da espécie.

Fonte: Diário Online


Curiosidade: 

Como o vaga-lume emite sua luz?

De acordo com a Revista Super Interessante, Químicos e biólogos chamam a isso de bioluminescência. “Esse fenômeno resulta da oxidação de uma substância combustível produzida pelo próprio animal: a luciferina”, afirma Etelvino Bechara, do Instituto de Química da USP. A luciferina reage com o oxigênio que o animal inspira, auxiliada por uma enzima batizada de luciferase. A energia é fornecida pela substância adenosina trifosfato (ATP), principal fonte energética usada pelo metabolismo das células, mas, nesse caso, o resultado é a emissão de luz. Há três espécies de besouros luminosos: os vaga-lumes, da família dos lampirídeos, com luz que varia entre o verde e o amarelo; os tectecs ou salta-martins, dos elaterídeos, que emitem luz entre o verde e o laranja; e os trenzinhos, dos fengodídeos, capazes de mais tonalidades: verde, amarelo, laranja ou vermelho.
A reação da luciferina com oxigênio na presença da luciferase e da ATP ocorre em células especiais (os fotócitos) que formam um tecido chamado lanterna. Esse tecido está ligado à traquéia e ao cérebro, permitindo assim o controle da iluminação. Ou seja: o inseto só se acende quando tem vontade.
Farolete voador

Reação química faz inseto acender
1. O oxigênio inalado pelo vaga-lume é enviado para o tecido chamado lanterna, onde reage com duas substâncias: luciferina e luciferase.
2. A substância ATP fornece energia e o resultado da reação é a oxiluciferina, que libera energia em forma de luz

Fonte: Super Interessante