Arrogância do Governo: Brasil vai rejeitar ajuda de R$ 83 milhões para a Amazônia ~ Ceará da Gente

Arrogância do Governo: Brasil vai rejeitar ajuda de R$ 83 milhões para a Amazônia

Floresta amazônica está em chamas na região de Candeias do
Jamari, que fica perto de Porto Velho, capital de Rondônia.
A crise diplomática envolvendo o Brasil e diversos países do mundo, se agrava a cada dia. A recente elevação dos incêndios criminosos na Amazônia tem sido um dos pontos principais dessa crise. Líderes mundiais estão preocupados com os danos ambientais do Governo Bolsonaro, que inclui não só a falta de políticas ambientais para a Amazônia, quanto a liberação descontrolada de agrotóxicos, e  falta de sensibilidade e dificuldade do Governo Bolsonaro em estabelecer um diálogo sensato e amigável com líderes de outros países. 

Nesta segunda-feira, o presidente da França, Emmanuel Macron, anunciou ajuda do G7 de US$ 20 milhões (R$ 83 milhões) para ajudar a Amazônia. Porém, o governo brasileiro vai rejeitar a ajuda oferecida pelo G7. A informação foi confirmada pelo Palácio do Planalto. 

A maior parte do dinheiro oferecido pelas economias mais industrializadas do mundo seria utilizada para enviar aviões de combates à incêndio. 

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, não participou da reunião em que os líderes do G7 trataram da oferta. Mas Macron disse que o norte-americano apoiava a iniciativa. 

Segundo interlocutores do governo Bolsonaro que acompanham o tema, a oferta de auxílio foi entendida muito mais como uma tentativa de Macron de capitalizar o tema do que uma iniciativa dos líderes do G7. Esse interlocutor diz que o Brasil aguarda a formalização a oferta pelo francês, mas reafirma que ela deve ser rejeitada. O Ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni disse: "Talvez esses recursos sejam mais relevantes para reflorestar a Europa. O Macron não consegue sequer evitar um previsível incêndio em uma igreja que é um patrimônio da humanidade e quer ensinar o quê para nosso país? Ele tem muito o que cuidar em casa e nas colônias francesas". 

Na noite desta segunda, o presidente Bolsonaro recebeu no Palácio do Alvorada o encarregado de negócios da embaixada dos Estados Unidos, William Popp. Também participou da reunião o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do mandatário e presidente da Comissão de Relações Exteriores da Câmara. 

Auxiliares de Bolsonaro consideram que Trump foi fundamental na cúpula do G7 para evitar uma ação mais incisiva da França em relação à Amazônia. 

A declaração final do G7 foi enxuta e não tocou no tema da Amazônia –o que foi visto pelo governo brasileiro como uma vitória.  Apesar de rejeitar o auxílio oferecido na cúpula do G7, o Brasil aceitou a ajuda oferecida por outros países.

Chile e Equador já disponibilizaram aviões e especialistas em combate a incêndios; Israel e Estados Unidos também ofereceram ajuda, mas o governo diz que ainda estão quantificando esse auxílio. 
Divergências. 
Bolsonaro e Macron têm protagonizado troca de críticas na questão da preservação da Amazônia.  
Na quinta-feira (22), o mandatário francês classificou como "crise internacional" a situação amazônica e instou os líderes do G7 a discutir "a emergência" na cúpula dos países mais industrializados do mundo, que ocorreu durante o final de semana num balneário localizado no sul da França.
Bolsonaro acusou Macron de disparar "ataques descabidos e gratuitos à Amazônia" e zombou da mulher do francês, Brigitte Macron, em comentário na internet.
Já o presidente da França disse nesta segunda-feira (26) esperar que "os brasileiros tenham logo um presidente que se comporte à altura" do cargo.
Soltando o Verbo:Arrogância ou Irresponsabilidade?
Bolsonaro tem se mostrado deselegante, arrogante e agressivo pra lidar com essa questão tão delicada. Soltando farpas com seu pavio curto e irresponsabilidade.   O argumento do presidente é que o Brasil perderia a soberania. 
A imagem de Bolsonaro aos olhos da imprensa mundial é cada dia mais negativa. Vale lembrar que o próprio Jair Bolsonaro anunciou há alguns dias que o país estava em crise e não tinha dinheiro para combater os incêndios.
Outra bola fora que o presidente deu, mesmo após declarar a crise financeira do governo, foi a perca do Fundo Amazônia, que representaria muito para o país nesse momento de crise. Quando a Noruega decidiu suspender os recursos para o fundo, no último dia 15, o presidente sugeriu ao país que repassasse o dinheiro para a Alemanha. Estamos falando de um recurso de R$ 133 milhões. 
"A Noruega não é aquela que mata baleia lá em cima,, no Polo Norte, não? Que explora petróleo também lá? Não tem nada de exemplo para nós. Pega a grana e ajude a Angela Merkel a reflorestar a Alemanha", disse Bolsonaro na ocasião.
Recusar ajudas tão significativas para o país, na visão torta do presidente Jair e seus "soldados", significaria perder a soberania. Os seus defensores usam também o argumento de que sempre houve incêndio na Amazônia. Sim, sempre houve, mas estamos falando de um aumento de 82% nesses incêndios somente no ano de 2019. 
Com informações do DN e G1