#TodosJuntosPorLyan- Campanha busca arrecadar R$ 3 mil reais para a compra de cadeiras especial para garoto de Saboeiro

Nilo, idealizador da campanha, Lyan e sua avó
O Café do Agricultor e o Projeto Vivendo Sóbrio, em Saboeiro, nos Inhamuns, lança com apoio do Portal Ceará da Gente uma campanha para a compra de uma cadeira especial para o pequeno Lyan, de 7 anos, morador da Coab, naquele cidade. Lyan era um garoto saudável até os 3 anos de idade, quando foi acometido por uma síndrome rara, que lhe tirou os movimentos de todo o corpo, o impede de falar e de se alimentar normalmente. 

Dona Laene se dedica integralmente a cuidar do Lyan
Lyan faz tratamento em Fortaleza desde então, mas seu problema de saúde ainda é uma incógnita para os médicos que o acompanham. Ele se alimenta através de uma sonda e passa todo o tempo nos braços da avó, que se dedica integralmente ao neto, ou deitado em um pequeno colchão no chão. 

Para ter um pouco mais de qualidade de vida, mais conforto e aliviar os braços cansados da avó, Lyan precisa de uma cadeira de rodas em alumínio adaptada, como a da modelo , que possui características como: 

-Encosto Plano
-Assento Anatômico
-Apoio de Cabeça Simples
-Apoio de Tronco Plano
- Apoio de Quadril Plano *Somente para Prisma e Relax
- Cinto Peitoral
- Apoio de Pés com Faixa
- Anti-Tombo





Nilo Marcos de Oliveira,  coordenador e idealizador da campanha que recebeu o nome: "Cadeira de Rodas Amiga, Devolva Meus Passos", disponibiliza duas contas para aqueles que se sensibilizarem com a situação de Lyan, e queiram colaborar com qualquer valor:

  • ·      Agência: 0613 Variação 013 Conta Poupança:069.334-5 Caixa Econômica Federal. (Titular: António Nilo Marcos de Oliveira.)
  • ·          Agência:  634 Conta Corrente 18.959-6 Banco Bradesco. (Titular: Edna Maria Batista Lima.)


Estas contas são dos coordenadores e responsáveis pela Campanha. Todos  que sentirem no coração o desejo,  possa e queira fazer sua doação, de qualquer valor, faça o depósito identificado que  fica melhor pra nós identificarmos e agradecermos.

Informações: (88) 99801.3482 ou (88) 99675.1184. (Os dois números são whatsapp). 

Realização: Café do agricultor e Agricultora e Projeto Vivendo Sóbrio. Loja 07 Mercado Público centro de Saboeiro Ce. 

Apoio: Site Ceará da Gente .

"As mãos que ajudam são mais sagradas que os lábios que rezam". (Madre Tereza de Calcutá)

Compartilhe junto com a hastag: #TodosJuntosPorLyan

Veja o emocionante vídeo da avó de Lyan demonstrando todo seu amor:



Direito em foco: Confira 13 Direitos Garantidos Pelo Código De Defesa Do Consumidor


Por Sérgio Sampaio Olinda




1) Publicidade enganosa

Por mais que um dos direitos básicos do consumidor seja o de acesso a informações claras sobre o que está comprando, há casos em que a forma como uma campanha publicitária é desenvolvida ou como a embalagem de um produto é imaginada pode levar o consumidor ao engano.

Hoje em dia, as empresas estão muito mais conscientes. É difícil que façam alguma propaganda com informações falsas. Mas publicidade enganosa é também aquela que tem o potencial de confundir uma pessoa.

A marca de sucos Tang, por exemplo, se envolveu em um caso de publicidade enganosa e foi multada em R$ 1 milhão em 2017 por ter inserido nas embalagens a expressão "sem corantes artificiais", sem informar a presença de outros corantes na fórmula.

Segundo o entendimento da Secretaria Nacional do Consumidor na época, a informação induzia o consumidor a acreditar que se tratava de um produto mais natural e saudável, o que se configura como publicidade enganosa.

2) Cobrança abusiva para cancelar o contrato

A cobrança para o cancelamento de um contrato dependerá do prejuízo que o rompimento causará para o fornecedor. Não existe um limite estabelecido por lei; porém, o valor também não pode representar um enriquecimento do prestador de serviço em detrimento do consumidor.

“Vamos supor que você estuda em uma faculdade particular e, no meio do ano, desiste do curso. Nesse caso, a multa será mais alta, porque a instituição de ensino terá dificuldade em conseguir alguém para te substituir”, explicou. Isso porque, quando o consumidor assina o contrato com a instituição, ele assume a obrigação de ficar lá durante o período estabelecido contratualmente; e a instituição faz o planejamento financeiro contando que haverá aquela receita para pagar os custos.

Caso a desistência seja antes do ano letivo, dá tempo de chamar a próxima pessoa da lista para preencher a vaga, então, não faz sentido cobrar uma multa, a não ser que a retenção do valor conste de forma clara no contrato.

3) Cobrança por serviço não contratado

O consumidor que for cobrado indevidamente tem direito à restituição do dobro do valor que pagou, com juros e correções monetárias, caso a empresa tenha agido de má-fé.

A Tim Celular, por exemplo, foi multada em R$ 9,7 milhões em junho de 2019 por prática da oferta indiscriminada e pouco clara dos "serviços de valor adicionado", que geraram contratações viciadas e cobranças ilegítimas.

4) Acesso a dados pessoais sem autorização

A gente tem princípios muito básicos no CDC sobre a utilização de dados dos clientes. Embora haja o entendimento de que há a necessidade de autorização para repassar dados, não é algo que esteja claro na lei.

O consumidor estará mais amparado contra esse tipo de prática somente em agosto de 2020, quando a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) entrará em vigor.

Será obrigatório informar o cliente sobre os usos que serão feitos com os dados deles, por mais simples que sejam, como enviar um e-mail ou ligar para oferecer produtos.

5) Demanda não resolvida ou respondida após o prazo

Uma vez notificado, o fornecedor tem até 30 dias para resolver o problema encontrado pelo cliente. Caso desrespeite esse período, o consumidor tem três opções:
·                    Pedir um produto igual e sem defeito,
·                    Exigir o dinheiro de volta
·                    Requerer o abatimento do preço.
A última opção é mais rara de acontecer. Vamos supor que você compre um carro e ele venha com defeitos no GPS. Você tem o direito de querer que o GPS funcione porque pagou por isso.
Mas, hoje em dia, as pessoas usam mais o Waze no celular. Então pode solicitar o abatimento de parte do valor pelo fato de o aparelho multimídia não funcionar.

6) Não entrega / demora na entrega do produto

Se a loja, física ou virtual, não entregar o produtos dentro do prazo combinado, o consumidor pode cancelar a compra e ter seu dinheiro de volta sem pagar nenhuma taxa de cancelamento, já que a desistência foi provocada pelo estabelecimento comercial.

Em caso de atraso na entrega de um imóvel, a Lei n.º 13.786/18 garante à incorporadora o prazo de 180 dias de prorrogação sem a incidência de multa.

Após esse período, o comprador poderá pedir a rescisão sem desconto na devolução dos valores pagos e da multa estabelecida.

Se o comprador não quiser romper o contrato, a incorporadora deve pagar, na data da entrega das chaves, a indenização de 1% do valor pago para cada mês de atraso, com a devida correção monetária.

7) Cobrança de valores não previstos ou não informados

Enviar ou entregar ao consumidor, sem solicitação prévia, qualquer produto ou fornecer qualquer serviço é uma prática abusiva, de acordo com o artigo 39 do CDC.

8) Cartão de crédito

O envio de cartão de crédito não solicitado também configura prática abusiva, segundo súmula do Supremo Tribunal de Justiça (STJ) publicada em 8 de junho de 2015 no Diário da Justiça.
Na época, o tribunal tinha julgado o caso de uma consumidora que pediu ao banco um cartão de débito, mas recebeu um cartão de múltiplas funções. Por decisão dos ministros, a instituição financeira foi condenada a pagar R$ 158 mil de indenização, mesmo alegando que a modalidade crédito estava bloqueada.

9) Cobrança após cancelamento do serviço

Qualquer cobrança feita ao cliente após a intenção de cancelamento ter sido manifestada se configura como prática abusiva. A Sky, por exemplo, foi condenada pela Justiça do Distrito Federal em 2017 porque adiava a suspensão das assinaturas de TV a cabo e da retirada dos equipamentos dos domicílios e continuava cobrando os clientes pelo serviço.

10) Dificuldade em trocar ou consertar no prazo de garantia

A lei brasileira não prevê um prazo de garantia que seja aplicado a todos os produtos. O que existe é o prazo de reclamação que pode ser feita a partir da identificação do defeito em um produto.
O consumidor tem até 90 dias para reclamar junto ao fornecedor quando adquirir um produto durável com defeito. Tratando-se de produtos não-duráveis, como alimentos e bebidas, o período cai para 30 dias.

11) Troca de produto

Há casos em que a troca de produtos não é obrigatória. Por exemplo, quando o consumidor vai a uma loja de roupa, compra uma peça, mas depois se arrepende por causa do modelo, cor ou tamanho, em tese, ele não teria direito à troca, mas as lojas costumam fazer a substituição como uma maneira de agradar e fidelizar o cliente.

12) Cancelamento

O cancelamento de uma operação é autorizado em casos de:
·                    Compras feitas fora do estabelecimento comercial (pela internet, telefone ou vendedor porta a porta),
·                    Defeitos que o fornecedor não tenha resolvido,
·                    Informações não condizentes com a realidade na embalagem do produto
·                    Atraso na entrega de um produto.
Para as demais situações, o cancelamento da compra será liberalidade do fornecedor

13) Indenização

O consumidor tem direito de ser indenizado, caso tenha sido prejudicado, por quem lhe vendeu o produto ou lhe prestou o serviço, inclusive podendo ser recompensado pelos danos morais sofridos. Quando isso ocorre, o ideal é buscar informação nos órgãos de proteção ao consumidor (Procon, Juizados Especiais e entidades que atuem nessa área).


Tanto consumidores quanto empresas precisam conhecer profundamente seus direitos, para evitar equívocos que podem resultar em prejuízos ou ações jurídicas. Porém, vale lembrar que ambas as partes podem recorrer a alguns recursos previstos em lei, que são fornecidos pelo CDC (Código de Defesa do Consumidor), quando os seus direitos básicos são violados, quando contratos são quebrados ou até mesmo quando promessas acabam não sendo cumpridas.


Por Sérgio Sampaio Olinda.

Ministério da Saúde alerta para possível epidemia de dengue no Ceará a partir de março



O Ceará, os demais estados do Nordeste, além de Rio de Janeiro e Espírito Santo, podem sofrer um surto de casos de dengue a partir de março deste ano, conforme alerta do Ministério da Saúde desta quarta-feira (15). 

“A dengue é uma doença sazonal e o quadro é dinâmico e pode mudar em pouco tempo, mas, no momento, os nove estados do Nordeste e as regiões do Sudeste com grande contingente populacional pouco afetadas em 2019 estão no nosso alerta”, afirmou o porta-voz do Ministério da Saúde, Rodrigo Said.

Em 2019, o Ceará teve quase 15 mil casos da doença, mais que o triplo do ano anterior. Apesar do crescimento, o número de casos da doença foi bem abaixo do registrado em 2015, quando mais de 50 mil pessoas foram infectadas. 

"Isso aconteceu porque circulou, em todos esses anos, o mesmo sorotipo do vírus da dengue. E quando uma pessoa é infectada pela dengue, ela estará imune aquele determinado sorotipo pra sempre, mas não aos outros sorotipos da doença", afirma Said. 

Transmissão da doença 



A dengue é transmitida por quatro sorotipos do vírus: o sorotipo 1, 2, 3 e 4, todos em circulação no Brasil. 

A intensidade de circulação desses sorotipos se alterna pelo país de tempos em tempos. Os surtos de dengue costumam ocorrer, segundo Said, quando há mudança na circulação do tipo de vírus.

"O sorotipo 2, que já é um tipo mais virulento que os outros, foi ganhando força conforme foi infectando novos pacientes nesses estados. Agora, ele está circulando por mais áreas. Por isso, para 2020, é esperado aumento dos casos de dengue justamente nos estados que não foram tão afetados pelo sorotipo em 2019, como o Rio de Janeiro e Espírito Santo", explica o porta-voz do ministério. 

Said também alerta que o surto da doença se relaciona, ainda, a fatores ambientais. "Estamos em um momento propício para a proliferação do mosquito transmissor da dengue [Aedes aegypti]: altas temperaturas e chuvas intensas".  


(G1 CE)

Raio mata adolescente e cavalo em Crateús


Um adolescente de 15 anos morreu na tarde desta quarta-feira (15) vítima da descarga elétrica de um raio em Crateús, no interior do Ceará. 

O caso aconteceu na localidade de Alto. Durante a chuva que caía na cidade, Carlos Eduardo Martins Magalhães sofreu a descarga quando estava indo pegar um carneiro. 

Os dois foram atingidos e o animal morreu na hora. Carlos Eduardo ainda foi socorrido para o hospital da cidade, mas chegou ao local sem vida. 

(G1 CE)

Secretaria de Educação do Crato abre Processo Seletivo Simplificado para cadastro de reserva de professores



A Secretaria Municipal de Educação do Crato divulgou nesta quarta-feira (15), que estará realizando Processo Seletivo Simplificado para formação de cadastro de reserva visando a contratação de professores temporários para o exercício do ano letivo 2020 nas áreas de Educação Infantil, Ensino Fundamental I e disciplinas do Ensino Fundamental II da rede municipal de ensino. 

O prazo de validade do processo seletivo será de 06 meses, a contar da data da homologação do resultado final, prorrogável, uma única vez, por até igual período, mediante ato do titular da Secretaria Municipal de Educação.

Conforme a organização, a seleção será realizada em duas etapas, composta de Prova Escrita Objetiva, de conhecimentos gerais e específicos, e de Análise Curricular, ambas de caráter classificatório e eliminatório.

A jornada de trabalho será de até 40h semanais (200h mensais) em consonância com a necessidade administrativa para a execução dos serviços. 

As inscrições serão efetuadas das 08h do dia 17 de janeiro (próxima sexta-feira), às 23:59h do dia 20 de janeiro, exclusivamente pela internet, no site: www.crato.ce.gov.br

A prova escrita está marcada para ser aplicada no dia 02 de fevereiro (domingo), das 8h às 12h.

Confira o edital completo clicando aqui!

Fonte: Gazeta do Cariri

Dupla armada invade quadra de escola e deixa três adolescentes feridos em Fortaleza.

Caso aconteceu por volta das 19h30 e foi registrado por câmeras de segurança.


Foto Reprodução

Três adolescentes foram baleados após uma dupla armada invadir a quadra de uma escola particular no bairro José Walter, em Fortaleza, na noite desta quarta-feira (15). O caso aconteceu por volta das 19h30 e foi registrado por câmeras de segurança.
No vídeo, um grupo de pessoas está assistindo a uma partida de futebol quando os suspeitos atiram e tem início uma correria. Os criminosos chegam a correr em direção uma das vítimas. Após o crime, a dupla, que estava usando capacetes para cobrir o rosto, conseguiu fugir.

Três adolescentes são baleados após dupla armada invadir quadra de escola particular no José Walter http://bit.ly/3afCGI3 

See Diário do Nordeste's other Tweets
O alvo dos suspeitos seria um jovem de 17 anos, que ficou ferido. Um adolescente de 15 anos e uma garota de 14 anos também foram atingidos pelos tiros.
Segundo testemunhas, os três adolescentes foram socorridos por moradores e levados para  o Hospital Distrital Gonzaga Mota do José Walter, o Gonzaguinha José Walter. Horas depois, duas ambulâncias do Samu fizeram a transferência dos dois rapazes para o Instituto Doutor José Frota (IJF), no Centro.
De acordo com um funcionário do colégio, as dependências da entidade haviam sido disponibilizadas para a prática de atividades apoiadas pela igreja que faz parte da escola. As vítimas não são alunos da unidade de ensino.

A polícia realiza buscas na região para tentar capturar o dois suspeitos. O caso será investigado.


Fonte: DN

Desperdício: MEC vai jogar no lixo 2,9 milhões de livros nunca usados

Foto: Gabriela Biló/Estadão
A presidente do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), Karine dos Santos, assinou portaria criando comissão para fazer o levantamento e avaliação de livros didáticos nunca utilizados pelos alunos da rede pública que poderão ser descartados. A portaria foi publicada nesta quarta-feira, 15, no Diário Oficial da União.
No sábado, 15, o Estado adiantou que o órgão, ligado ao Ministério da Educação (MEC), estuda desde o ano passado o descarte dos materiais que estão armazenados em um galpão dos Correios, em Cajamar, na Grande São Paulo. O FNDE não sabe ao certo quantos livros estão guardados no local, uma análise preliminar encontrou ao menos 2,9 milhões de exemplares, que “venceram” entre 2005 e 2019.
Segundo a portaria, a comissão vai levantar quantos livros podem ser considerados “bens inservíveis” e “recomendar a retirada e o descarte dos livros desatualizados, obsoletos, ociosos, irrecuperáveis, antieconômicos ou em desuso”.
O Estado apurou que esses livros, de todas as disciplinas e de todas as séries (do ensino fundamental e do médio), estão ainda embalados e nunca foram abertos. Há ainda uma quantidade desconhecida de exemplares, que chegaram a ser entregues nas escolas antes de 2012, e depois foram levados ao local.
Contando só os 2,9 milhões de livros nunca usados, o gasto estimado é de mais de R$ 20,3 milhões – em média, a compra de cada unidade custa R$ 7. Segundo o Estado apurou, servidores calculam que o estoque possa ser até três vezes maior.
Os exemplares foram comprados pelo MEC no Programa Nacional do Livro e do Material Didático (PNLD), que distribui obras a todas as escolas públicas municipais e estaduais. Para evitar que alunos fiquem sem livro no caso de abertura de turmas ou colégios, sempre é adquirida uma reserva técnica. Há ainda escolas que rejeitam exemplares recebidos muito tempo após iniciar o ano letivo. Essas unidades vão para o depósito.
Na segunda-feira, 13, o ministro Abraham Weintraub disse que “muita bobagem tem sido dita e veiculada” sobre o descarte dos livros, já que sempre vai “sobrar um pouquinho” de exemplares. Segundo ele, no ano passado, o governo Jair Bolsonaro melhorou a redistribuição dos materiais para reduzir o desperdício. No entanto, ele não informou quais mudanças foram feitas no programa.
Questionado, o MEC também não informou quais foram as alterações.
Este mês, o presidente Jair Bolsonaro classificou os livros didáticos como “péssimos” e com “muita coisa escrita”. Dias depois, o ministro Abraham Weintraub reforçou a crítica e disse que já deu “boa limpada” no material. A necessidade de descarte de livros “inservíveis” foi apresentada a ele no fim do ano, pouco antes da troca do comando do FNDE. No dia 24, a servidora Karine dos Santos, que já chefiou a área responsável pelo PNLD, foi nomeada para a presidência do órgão.
Em nota, o FNDE disse que “não há efetivamente nenhum prejuízo” com a reserva de livros e defende ter cota extra para atender “as escolas novas criadas a cada ano, os alunos que ingressam no sistema de ensino e a eventual falta de livros em determinada unidade”. Também afirmou ter controle de “quais e quantos exemplares estão armazenados e disponibilizados para solicitações das escolas”. Mas não comentou sobre o estudo de descarte.

Fonte: Estadão/ Blog da Cidadania

Sindicato e servidores protocolam denúncia no MP de Saboeiro referente a atraso do salário de dezembro


Os problemas de ordem administrativa de Saboeiro tem se alastrado e se agravado após o último pleito eleitoral, onde foi eleito Gotardo Martins, que chegou a se manter afastado por mais de um ano do cargo acusado de corrupção. 

Ora enfrentando, ora causando muitos problemas, o gestor teve mais um abacaxi pra descascar na manhã desta quarta-feira (15). Alguns destemidos funcionários e o presidente do Sindicato dos servidores Municipais (SINTSEPANSA), Iltemar Martins, além da vereadora Wylna Cavalcante, procuraram o Ministério Público para reclamar o pagamento referente ao mês de dezembro dos professores e dos servidores do hospital, além de exigirem também que seja feito e cumprido um calendário de pagamentos.

Sendo informado do que estava acontecendo, o Prefeito Municipal, Gotardo Martins, na tentativa de averiguar quais funcionários estavam enfrentando o descaso e a irresponsabilidade da gestão, compareceu ao fórum. Debochado, o gestor declarou publicamente, em meio aos presentes: "Homem nenhum pode me obrigar a pagar, nem mesmo a Justiça, porque não tem dinheiro". O gestor zomba da situação, afirmando que os pagamentos estavam em dia,  e as denúncias partem de adversários, "personae non gratae", na visão torta de um gestor que ousa dizer onde chega que "tá tudo primeirinha, um céu", frase que virou bordão.

De bordões, aliás, Saboeiro tá bem servido. O famoso bordão da primeira dama é: "quem come do meu pirão, prova do meu cinturão". Esse parêntese foi aberto para reforçar a situação que provoca o medo de servidores que, mesmo prejudicados, não se juntam à minoria para reivindicar o que de direito lhe pertence. 

Pessoas próximas ao prefeito, afirmam que no entendimento do gestor, os pagamentos estão em dia porque é rotina no município pagar um mês dentro do outro. Será que ele desconhece as leis?

O Parágrafo 1º do artigo 459 da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) dispõe que, quando o pagamento houver sido estipulado por mês, deverá ser efetuado, o mais tardar, até o quinto dia útil do mês subsequente ao vencido. Como se vê, existe disposição legal imperativa para que o salário seja pago até o quinto dia útil do mês. 

Portanto, ultrapassamos esse prazo estabelecido por lei, e o pagamento dos servidores está oficialmente atrasado sim, senhor prefeito. Corrigindo aqui alguma de suas declarações, podemos afirmar também que o senhor faltou com a verdade, porque entrou dinheiro sim. Aliás, muitos recordam suas declarações no palanque montado na ocasião da inauguração da escola da Aroeira Ferrada, quando disse que dinheiro em saboeiro não faltava.



Ouça:




Prosseguindo, apresentamos abaixo um resumo do valor que entrou no município em dezembro oriundos do recurso do FUNDEB. A soma ultrapassa a marca de um milhão de reais. Por fim,  concluindo, permita-me corrigir mais um equívoco seu: essa denúncia de hoje, como todas as outras, não é "coisa de adversário", a quem o senhor "gentilmente" atribui um parentesco com o capeta. Isso, é coisa de cidadão que conhece seus direitos e não se deixa vencer pelo medo das represálias. 





Confiram também matéria publicada no site do SINTSEPANSA, que traz mais detalhes sobre a audiência com o Promotor:

CLIQUE AQUI para ler.



Tauá terá casa da Mulher

A área já foi definida pelo município e a obra está prevista para iniciar ainda neste primeiro semestre. A data de funcionamento não foi informada.



A cidade de Tauá vivencia a expectativa de receber um equipamento público de proteção e promoção dos direitos femininos com recursos do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, no valor de R$ 1 milhão.

A Casa da Mulher Brasileira tem por objetivo acolher mulheres da região dos Inhamuns e promover diversos serviços de prevenção à violência.

A gestão da unidade é do Governo do Estado, por meio da Secretaria da Proteção Social, Justiça, Cidadania, Mulheres e Direitos Humanos. Uma área já foi disponível pela Prefeitura, no bairro Alto Nelândia, de 1.200 m². A obra está prevista para começar ainda neste primeiro semestre.

Atendimento

A unidade vai oferecer atendimento psicossocial, encaminhamentos a outros órgãos, cursos de capacitação profissional visando à promoção da autonomia econômica, e a oferta alternativas de abrigamento temporário, espaço infantil para as crianças que estejam acompanhando as mães em atendimento.

Fonte: Blog Diário Centro Sul (Honório Barbosa)

Absurdo: a novidade da "rolha" em barraca da Praia do Futuro

Aviso foi fixado na estrutura da barraca FOTO: HALISSON FERREIRA

Reportagem do Diário do nordeste desta terça-feira (14) revela que clientes de um estabelecimento comercial da Praia do Futuro precisam pagar um valor adicional caso adquiram produtos de vendedores ambulantes. “Cobramos R$ 60 de rolha por produto consumido não da barraca”, informa um aviso fixa na barraca New Beach
 
De acordo com a reportagem, o gerente da barraca, que não quis se identificar, alegou que os avisos  foram colocados um dia antes para evitar a venda fixa de produtos em frente à casa, e que o aviso eram direcionados aos funcionários e não aos clientes. 
 
Porém, a informação foi desmentida por uma turista mineira,Vera Diniz, disse que foi informada da proibição por uma funcionária logo ao chegar na barraca. “Quando eu cheguei, ela disse que se eu comprasse alguma coisa de ambulante, teria que pagar uma rolha de R$ 60 reais”. 


Uma vendedora ambulante que trabalha há 10 anos na área, Andrea Monteiro, disse que a proibição já rendeu prejuízos. Uma potencial cliente teria desistido da compra de um de seus brinquedos por ter lembrado do valor exigido pela barraca. Eu acho isso aí muito errado esse negócio de o cliente não poder comprar da gente porque vai pagar R$ 60 reais. A gente está aqui é para ganhar o sustento, não é para tirar nada de ninguém, é para levar comida pra casa”, lamenta. 
 
A presidente da Associação das Barracas da Praia do Futuro, Fátima Queiroz, definiu a cobrança como “uma atividade totalmente contra o fluxo”. Apesar de afirmar que há um assédio dos ambulantes, ela diz que a entidade preza pela “boa convivência com” os vendedores. Estava previsto uma reunião com a gerência da barraca ainda na tarde desta terça-feira, segundo Fátima, para entender o que tava acontecendo. "Nós estamos em um período bom, vamos trabalhar em paz”, ressaltou Fátima Queiroz.

Com informações do DN.